Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Corpo de Cadetes
Início do conteúdo da página

Corpo de Cadetes

Publicado: Segunda, 03 de Julho de 2017, 18h33 | Última atualização em Segunda, 03 de Julho de 2017, 18h33 | Acessos: 707

Cerimônia de engrega de espadins

No 1º ano da Academia Militar, Curso Básico, ocorre a Formação Básica do futuro oficial. Os objetivos são ajustar a personalidade do cadete aos princípios que regem a vida militar, assegurar os conhecimentos que o habilitem ao prosseguimento de sua formação de oficial, fortalecer o caráter militar, preparar o combatente básico, obtendo reflexos na execução de técnicas e táticas individuais de combate, obter capacitação física e desenvolver habilidades técnicas.

Nos 2º, 3º e 4º anos, a formação dos oficiais da AMAN é direcionada para as sete especialidades do Exército Brasileiro, que constituem a linha de Ensino Militar Bélico: 
Armas (Infantaria, Cavalaria, Artilharia, Engenharia e Comunicações), Serviço de Intendência e Quadro de Material Bélico.

A qualificação do futuro oficial tem por objetivo principal a capacitação ao exercício do comando de pequenas frações, pelotão e de subunidades de sua respectiva Arma, Quadro ou Serviço. Ainda, consolidam-se o aperfeiçoamento das técnicas individuais do combatente, o elevado padrão de ordem unida e o contínuo desenvolvimento da capacidade física. 

    A qualificação e a intensificação das atividades militares têm por objetivo principal a habilitação ao exercício de cargos e funções inerentes ao oficial subalterno e ao capitão não aperfeiçoado, em condições de combate e em tempo de paz.

 

Histórico

O Corpo de Cadetes foi criado em formatura solene no Campo de Marte da Escola Militar do Realengo, no Rio de Janeiro, a 25 de agosto de 1931, data do nascimento do Duque de Caxias, com a presença de várias autoridades, dentre elas o Chefe do Governo Provisório, Getúlio Vargas.

Dessa forma, o aluno matriculado passava a fazer parte de uma entidade coletiva e adquiria a situação militar de praça especial, sendo enquadrado pelo Regulamento Interno do Corpo de Cadetes, consolidado no ano seguinte. Segundo o Artigo 1º deste Regulamento, o Corpo de Cadetes seria o verdadeiro símbolo do “futuro do Exército e da segurança da Pátria”.

Toda essa reforma pretendida pelo então Comandante da Escola Militar, o Marechal José Pessoa, visava atingir “a alma e o coração” dos jovens candidatos a oficial. Para tanto, com a criação do Corpo de Cadetes, também foram criados os símbolos do cadete, que expressavam as tradições vinculadas aos valores da Nação e que deveriam ser cultuados por todos.

Houve, assim, a revitalização do título de cadete para designar os alunos da Escola Militar, a apresentação do estandarte do Corpo de Cadetes, o Brasão do cadete, o Espadim, réplica em miniatura do sabre invicto de Caxias, símbolo da honra militar e o uniforme histórico.

Missão

Formar o aspirante-a-oficial das Armas, do Serviço de Intendência e do Quadro de Material Bélico, habilitando-o para os cargos de tenente e capitão não-aperfeiçoado e iniciar a formação do Chefe Militar.

Organização

Fim do conteúdo da página