Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Batalhão Agulhas Negras
Início do conteúdo da página

Batalhão Agulhas Negras

Publicado: Segunda, 03 de Julho de 2017, 18h37 | Última atualização em Terça, 22 de Março de 2022, 14h41 | Acessos: 42050

HISTÓRIA

Tudo começou com o Quartel do Contingente, construído em local elevado e aprazível no interior da cidade acadêmica, pela Comissão de Obras da Escola Militar de Rezende, para acomodar a banda de música e o contingente da Escola Militar. Após 6 anos da inauguração da Escola Militar de Rezende, atual Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), foi criado em Decreto Presidencial nº 28.356, de 10 de julho de 1950, data considerada como aniversário, o Batalhão de Comando e Serviços (BCS), cuja organização era: Comando, Companhia de Guardas, Companhia Auxiliar do Corpo de Cadetes e Companhia de Comando e Serviços. Após 68 anos da criação do BCS, foi criado e ativado em 1º de janeiro de 2018, pela Portaria do Comandante de Exército nº 1.061, de 21 agosto de 2017, a Organização Militar (OM) subordinado e vinculado administrativamente à AMAN, Batalhão de Comando e Serviços da Academia Militar das Agulhas Negras (BCSv/AMAN), sendo considerado o maior batalhão em efetivo do Exército Brasileiro (EB). Em 17 de dezembro de 2021, conforme Portaria do DECEx/C Ex nº 359, de 19 agosto de 2021, foi concedido a denominação histórica ao BCSv/AMAN, que passou a se configurar como “Batalhão Agulhas Negras”, em homenagem a Academia Militar das Agulhas Negras, estabelecimento de ensino da linha bélica da Força Terrestre, bem como ser referência de Corpo de Tropa para os jovens Cadetes. A origem e a história do “Batalhão Agulhas Negras”, confunde-se com a própria história acadêmica, não havendo um local da AMAN sem a marcante presença do militar do batalhão. A segunda estrofe da canção do BCSv/AMAN, palavras que traduzem por si só o espírito de bem cumprir a missão, inerente ao soldado: "Irmanados na mesma esperança, apoiando os que buscam saber, trabalhando com toda pujança, cumpriremos o nosso dever."

ORGANIZAÇÃO

O BCSv/AMAN, “Batalhão Agulhas Negras”, possui sete subunidades (Companhia de Guardas, Companhia de Polícia do Exército, Companhia de Fuzileiros, Companhia de Comando (inclusive a Banda de Música), Companhia de Serviços, 1ª Companhia Auxiliar do Corpo de Cadetes e 2ª Companhia Auxiliar do Corpo de Cadetes. Em relação a Banda de Música, essa faz parte do “Batalhão Agulhas Negras” e foi criada em 6 de outubro de 1913, na Escola Militar do Realengo, estando presente no dia-a-dia do Cadete, participando decisivamente nas duas mais importantes solenidades acadêmicas: a entrega de Espadins e a Declaração de Aspirantes a Oficial. Além disso, é forte veículo para as relações públicas, representando de maneira irrepreensível o “Batalhão Agulhas Negras”, a AMAN e o EB junto à comunidade civil nas diversas cidades da região Sul Fluminense. Com efetivo aproximado de 2.000 (dois mil) militares, entre homens e mulheres, é considerado o maior batalhão do EB em efetivo e caracteriza-se a rigor, pela amplitude das responsabilidades e na execução dos encargos, em três unidades com realidades de emprego distintas, sob comando único, porém com chefias compartilhadas que por essa tresdobrada destinação justifica a quantidade de militares previstos: uma voltada para Auxiliar de Estabelecimento de Ensino (cerca de 700 cargos), outra para Administração e Apoio (cerca de 800 cargos) e, ainda, a que é tropa pronta com especificidades de Polícia do Exército, Guarda e Fuzileiros (cerca de 500 cargos); todas desempenhando papel significativo em prol do cumprimento da missão da AMAN. Estando presente no cotidiano da formação acadêmica, os soldados do “Batalhão Agulhas Negras” contribuem para a construção da personalidade do Oficial Combatente de Carreira do Exército Brasileiro.

MISSÃO

O “Batalhão Agulhas Negras”, OM de Corpo de Tropa, tem como missão: formar os reservistas na Guarnição de Resende; executar a guarda patrimonial do bem público; realizar funções de Polícia do Exército; e apoiar, com praças, os diferentes setores acadêmicos, realizando a gestão de pessoal desse efetivo. Tudo com a finalidade de contribuir com a AMAN na melhor formação do Cadete para que se torne um oficial combatente de carreira, futuro líder militar.

 

COMANDANTE

Atualmente, o Coronel de Infantaria ARTHUR LUIZ PALMEIRA LEITE, da Turma de 1994 da Academia Militar das Agulhas Negras, está no comando do “Batalhão Agulhas Negras”, sendo o 28º Comandante da Organização Militar.  

   

 

 

 

Fim do conteúdo da página